2008-12-30

Gaivotecnolampad'ecológica




















he he...

a ditosa de final de ano é tecnologicamente avançada, iluminadora, com top spin, asas de metal e aproveita o sol e o vento quase tão bem como as demais (e outros seres naturais) o fazem desde o princípio dos tempos

o sol é uma fonte imensa de energia, aproveitada em proporção ínfima no que respeita à utilização humana para aquecimento de águas e ar ou para produção de energia eléctrica

ainda assim, há notícias promissoras: a Central Fotovoltaica de Amareleja, em Moura, cuja ligação experimental se realizou no final de 2007, começou ontem a funcionar e tem 46 MW (megawatt) de capacidade instalada, pelo que deverá produzir 93 milhões de kWh (kilowatt/hora) e evitar a emissão de 89 mil toneladas de CO2 (dióxido de carbono) por ano

agora que os dias recomeçam a crescer (aos poucos: «Natal, bico de pardal», lembra quem sabe)no hemisfério Norte, celebrado que foi o nascimento de Cristo Rei Sol, iniciado que está o novo ano tibetano e em véspera do nosso ano Novo, vai um jametinhasdito solar e solsticial de vento em popa às energias novas que todos merecemos

Feliz, luminoso e solar 2009 !!!





observações são bem vindas
;->>>

4 comentários:

Anónimo disse...

As energias alternativas são sempre bem-vindas. Por um lado, por serem produto da capacidade intelectual do homem de não só concebê-las como também colocá-las a funcionar de forma profícua. Por outro, porque o seu único senão - parece-me - é o de ocuparem áreas de terreno arável. Mas mesmo aqui o eventual prejuízo será amplamente compensado pela produção de energia eléctrica que não polui e, sobretudo, não faz uso de matérias que sejam previsivelmente esgotáveis. Só não sei neste caso da Amareleja se os investimentos são nacionais. Se forem estrangeiros, não ficamos a ganhar tudo...
Quanto ao "bico de pardal", António, confesso que nunca ouvi. O que conheço, graças à minha amiga Teresa, transmontana de origem, é algo como isto: "Até ao Natal salto de pardal, do Natal a Janeiro salto de carneiro, e de Janeiro a Fevereiro salto de outeiro." (Com os dias sempre a crescer, conforme diz.)

Anónimo disse...

O anónimo que sou (jmco) acrescenta uma versão ainda mais popular sobre a história do pardal: "Natal, salto de pardal / Janeiro fora acrescenta-lhe uma hora / e quem bem contar hora e meia lhe há-de achar." (Sem querer, deturpei a versão transmontana e hoje fui à origem e recolhi-a com fidelidade. Contudo, a outra que mencionei também existe.)

hfm disse...

Que se cumpra 2009 com a inteligência dos que 1sabem ver para além do instante

mafY disse...

Mas é a Rosinha que sempre diz da mesma forma…?!
E a Rosinha é a mãe!
Todos os anos ela afirma que é bico de pardal até ao Natal ... e diz-me isto com um tal brilho nos olhos, que eu acredito que também vou saber esperar.
Depois ainda acrescenta: Vais ver se não é verdade!
E o meu pai logo de seguida: Janeiro fora, acrescenta-lhe uma hora e quem bem contar hora e meia lhe há-de achar.
E eu lá vou, entardecer fora à espera de encontrar o saltinho no relógio que segura mais um biquinho de Sol.