2008-11-22

anúncio


ir de avião ao Porto ainda é uma alternativa, enquanto o TGV não se decide e apesar do Terminal 2, essa pequenina amostra do inferno que será a deslocação ao aeroporto da Ota, digo, de Canha, nos arredores da bela vila de Alcochete

com sorte, apanha-se o jornal Público e a sua particularidade de ter uma edição local, diferente em algumas páginas da edição de Lisboa - já houve uma edição Centro mas Coimbra, Viseu e Leiria não se aguentaram na paisagem da bipolaridade que marca o pequeno território do nosso grande País

as diferenças são curiosas, mas isso fica para outro jametinhasdito - mais uma corrida, mais uma viagem e o Porto aqui tão perto, diria Sérgio Godinho

histórias como a que o anúncio conta e deixa por contar já aconteceram vezes incontáveis mas é peculiar ver a sua colorida expressão em anúncio de jornal

os motivos porque alguém se dispõe ao ridículo são os mesmos das cartas de amor de Fernando Pessoa, talvez apenas fé e descaramento ou outros por explicar, sem razão

mas se alguém crê, jametinhasdito, que interessam explicações, consequências ou seja o que for ?

há momentos que tornam azul o mundo, ainda mais azul, e também por isso o azul fica tão bem no anúncio

serão momentos que paralisam?

tudo a sorver, sentidos demasiado preenchidos para elaborar seja o que for, uma calma que não deixa ver claro, nem escuro, não deixa ver - mais nada ?

e depois? depois haverá todo um processo, de consciência e dúvida, em alternância introspectiva, interrogativa e interpelativa ?

em que a imagem volta, torna a voltar, se não é a imagem é a sensação que aparece e reaparece ou então é só o coração a trepitar, à procura de nova calibração, de novo equilíbrio ?
um não sei quê que se sucede ?

será que depois tudo desemboca num gesto ? numa procura ? num grito ?

depois passa ? esquece ? e enquanto não passa e não esquece é quando algo acontece ?

no caso deu em anúncio de jornal mas em Nova Iorque, o ano passado, passou por correio electrónico mensagem idêntica, olhares cruzados no metro, a possibilidade ínfima de reencontro é testada de lista de contactos em lista de contactos, todos conhecemos alguém que conhece alguém que conhece alguém e as correntes&redes, a electrónica&comunicações, as multivias&informais, tornam o mundo pequenino, aldeia global, não importa a escala

essa história de Nova Iorque, hoje de antologia sociológica, deu em reencontro e namoro, a coisa durou uns meses, deu uma certa vivência, entrevistas e depoimentos, histórias para contar, talvez bagagem... e nada mais, ou seja, pouco

mas, ainda a la Sérgio Godinho que tão bem encanta os aforismos populares, a vida é feita de pequenos nadas

oxalá o anúncio azuleje o dia ao mais belo sorriso e, em geral, a quem sorri

bom dia!



observações são bem vindas
;->>>

2 comentários:

Anónimo disse...

Oxalá!

jmco

mafY disse...

Pode ser um instante,
mas se por um instante,
a atenção cruza por inteiro um momento assim,
então,
é o universo que agradece e sorri também, e
o azul fará ainda mais sentido, sempre!