2010-07-23

dialecto

na petrolífera Guiné Equatorial, o presidente reinante decretou o português como nova língua oficial, somando o luso falar ao espanhol e ao francês

curioso país, único hispano-falante africano (é que nem Marruecos...) por ter sido colónia espanhola após trocas e baldrocas envolvendo possessões portuguesas - assim foi até ao terceiro quartel do século XVIII, mas antes disso abancaram lá os omnipresentes amigos holandeses, sempre gente bem intencionada - na região do golfo da Guiné

curioso, também, por ter a capital em território insular, em vez de a sediar no continente, o que será certamente raro (ok, os países ilhas não contam para esta estatística...) e ainda por ser vizinho de ... São Tomé e Príncipe!

e curioso, ainda, além de inúmeras outras razões mal-afamadas, por ser uma espécie de Kuweit de África, o maior PIB per capita do continente africano!!

ora, vai daí, a Guiné Equatorial quer integrar a CPLP, comunidade de países de língua oficial portuguesa, de que já é membro observador - para o que terá as suas razões, certamente as melhores, entre as quais a partilha de um universo político diplomático de dimensão considerável, capaz de ligar o mundo inteiro, aliás à boa maneira portuguesa, além de programas de cooperação, desenvolvimento e... circulação

mas a CPLP é uma comunidade com o seu estatuto, pretende-se respeitável e não um mero clube de interesses, pelo que transporta a ilusão de reunir os países de expressão oficial portuguesa e ... irmanados por uma herança histórica e por uma visão compartilhada do desenvolvimento e da democracia - ups...!!

enfim, poderá defender-se ou querer-se que o bom povo da Guiné Equatorial venha a ter acesso a um ambiente um pouco mais democrático

mas será mesmo necessário argumentar que o espanhol é quase um dialecto do português? é que além do mirandês, já temos dialectos predilectos e bastantes, como o espanhuel e o portunhol, o consultês, o informatiquês, o economês e outros crioulos mundo fora ou outras algaraviadas do Minho ao Algarve, já para não falar do Máderense e do Açuriane... ou mesmo do valente vernáculo tripeiro!!!

;_)))


observações são bem vindas ;->>>

3 comentários:

Anónimo disse...

A CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) prepara-se para mais um golpe de rins: o de admitir a Guiné Equatorial. Digo "mais um", porque a história do acordo ortográfico me está totalmente atravessada. Ora, quem faz aquele acordo que o povo português nunca aprovaria em referendo, com a reconhecida sabujice de submissão ao Brasil, fará outra coisa qualquer igualmente abjecta. Admitir um país que não fala português numa comunidade de língua portuguesa - mas trata-se de um país que fala a língua do petróleo - é totalmente absurdo, a não ser que, mais do que a parte linguística dos países, consideremos o seu PIB. "Nem só de PIB vive o homem", mas eles não se ralam com isso!

marta disse...

Eu ouvi um argumento diferente saído da boca de José Eduardo dos Santos:
«A Guiné Equatorial não é um país democrático»......

Sofá Amarelo disse...

Parece que Vanuatu e a Ilha de Páscoa também querem aderir à CPLP... quantos mais melhor! Será que há algum país na Lua que também queira aderir???